[Série Luso-Brasileiros] Conheça a história do Carlos Sarmento

7

Entramos na terceira semana, sempre as terças, com depoimentos de luso-brasileiros que guardam histórias de sua família portuguesa. Hoje, mostro aqui o que o Carlos Sarmento me contou.

O Carlos vive, atualmente, em Belém (Pará) e se recorda com carinho de seus avós maternos portugueses – ele de Braga, ela de Leiria.

“Tenho uma imensa vontade de conhecer essas cidades, e quem sabe, encontrar parentes.”

A foto que abre esse post é do avô Antonio Gonçalves (filho de Francisco Gonçalves e Maria da Luz Ribeiro), que chegou ao Brasil pelo porto de Belém do Pará, na embarcação Rio Negro, em 6 de dezembro de 1912.

O envolvimento com suas origens portuguesas aconteceu durante a adolescência:

“Descobri nas conversas que tinha com meu avô durante a minha adolescência, e também na sua Carteira de Identidade de Estrangeiro que herdei – há cerca de 20 anos – de sua filha Maria da Luz Gonçalves Sarmento, minha mãe.”

carlos-sarmento-depoimento-lusobrasileiros

Arquivo Carlos Sarmento

Carlos ainda não conhece Portugal, mas reúne informações para fazer um retrato de Braga:

“Pelas descrições do meu avô, imagino como um lugar ao norte, de clima frio e tranquilo. Ele tinha uma maneira devotada de se referir a Braga: um local sossegado, gostoso e saudável pra se viver.

Atualmente, pela Internet, sei que tem mais de 2 mil anos de história, foi fundada pelos romanos, e cheia de cultura e tradição.

A vontade de visitar o país e suas raízes é grande…

“Sim, tenho uma enorme curiosidade, por vários motivos: sou filho único, de família bem pequena. Não tenho pais nem parentes vivos, a não ser as minhas duas filhas e meu neto. Porém, creio que tenho parentes por lá, e fico imaginando como serão, como vivem, se tenho alguma semelhança com alguns deles.

Nas conversas com meu avô, ele sempre se referia a sua terra natal com um brilho especial em seus olhos e, em várias ocasiões, se emocionava até as lágrimas pelas lembranças de lá. Isso gerou em mim um encantamento por essa terra, uma sensação de ser um local tranquilo e gostoso de se viver.”

Aproveito para agradecer, mais uma vez, ao Carlos pelo carinho e por ter dividido essas memórias tão preciosas e particulares aqui no Cultuga 🙂

Compartilhe.

Sobre o autor

Priscila Roque

Sou jornalista especializada em cultura e fotógrafa. Foi preciso passar dos 30 anos para assumir que Lisboa é, realmente, o meu lugar no mundo. Mas a paixão por Portugal começou bem mais cedo, ainda na adolescência, quando descobri alguns músicos locais. Os meus pais são portugueses imigrados no Brasil. Depois de fazer o caminho inverso deles, trocando São Paulo por Lisboa, quero agora, com o Cultuga, diminuir a distância que separa o Brasil de Portugal.

7 comentários

  1. Avatar

    A cada história contada neste espaço,me dá mais vontade de morar em Portugal.
    Cada leitor tem uma história única,mas tem algo em comum:o amor,a vontade
    de conhecer ou o desejo de voltar a visitar Portugal.O leitor Carlos Sarmento fala
    da vontade de conhecer Portugal,de visitar os lugares onde nasceram seus avós
    maternos.Carlos,programe-se,coloque como objetivo lá passear.Tenho certeza
    absoluta que não vai se arrepender.Braga é muito linda,muitas igrejas(assim como
    em todo Portugal),mas o Santuário do Bom Jesus do Monte é especial.Fica no alto de
    uma colina,com uma escadaria com mais de 600 degraus,com esculturas em estilo
    barroco em toda a extensão,o que torna menos difícil e prazerosa a subida.
    Sem contar que é o segundo ponto religioso mais visitado,logo depois de Fátima.
    Quando lá for,não deixe de experimentar o Caldo Verde e o Bacalhau à Narcisa,
    dois pratos típicos e ótimos da cozinha local. Ah,e não se esqueça em Leiria de
    degustar o “Quindim” Doce Brisa do Liz ,divino e obrigatório.
    Mais uma vez,obrigado ao Cultuga por nos propiciar tão gostosa leitura.

    • Priscila Roque
      Priscila Roque em

      Olá, Augusto
      Portugal é um país pequeno, mas há sempre muito espaço para receber bem os seus apaixonados 😀
      Aproveito para agradecer a mensagem. Seja sempre bem-vindo ao Cultuga e a Portugal!
      Um grande beijo

  2. Avatar

    Olá, boa noite
    A diáspora portuguesa causa sempre isso.
    Para mim, é como a diáspora judia.
    Uma vez português, mesmo nascendo em outro país, será sempre português e as origens puxam de volta.
    É raro um “brasileiro” com ascendência portuguesa, tendo vindo à Portugal, não ficar enamorado e não querer morar em Portugal.
    Todos os que vierem por nem, sejam bem-vindos.

  3. Avatar
    Maria Cristina Dos Reis em

    Olá Priscila Roque! Como estás?
    Gostei muito Série Luso-Brasileiros, tantas histórias para contar! Eu sou neta de português, meu avô nasceu em Murtal. E gostaria de contar minha história aqui também, se possível, é claro!
    Um grande beijo
    P.S.: Adoro o Cultuga, sempre que posso tento acompanhar!

    • Priscila Roque
      Priscila Roque em

      Olá, Maria Cristina
      tudo bem? Por aqui está tudo certo 🙂
      Agradeço o seu carinho! Claro que é possível, vou te mandar um e-mail!
      Um grande beijo e seja sempre bem-vinda!

Deixe um comentário