Colaboracionistas: o teatro português como experiência

0

Nesse mês, fui convidada para assistir a uma peça aqui em Lisboa que me impressionou desde o seu primeiro respiro. “Colaboracionistas” é uma das obras apresentadas pelo Fatias de Cá, um grupo de teatro português que mantém sua base em Tomar e tem como principal característica aproveitar espaços de cultura e de patrimônio como cenário para representar seus textos, além de partilhar um jantar com o público que se inclui no contexto e no valor da peça.

Livraria Ler Devagar

Essa curta temporada de “Colaboracionistas”, que termina nessa sexta-feira, dia 30 de maio de 2014, é apresentada no primeiro andar da livraria Ler Devagar, na LX Factory. Esse é um espaço que eu já tinha tido a oportunidade de conhecer rapidamente, mas não com um uso tão complexo e apaixonante.

Foto: Priscila Roque/ Cultuga

Uma livraria para se sentir em casa – Foto: Priscila Roque/ Cultuga

Foto: Priscila Roque/ Cultuga

Corredor da Ler Devagar – Foto: Priscila Roque/ Cultuga

Foto: Priscila Roque/ Cultuga

Ler Devagar na LX Factory, em Lisboa – Foto: Priscila Roque/ Cultuga

A Ler Devagar dispõe seus materiais de uma maneira completamente diferente das grandes livrarias que estamos acostumados a frequentar. Porém, seu acervo é impressionante. Esse é o principal ponto de Lisboa para encontrar livros de cultura e arte, certamente. É também um espaço que mistura descontração, por vezes paz (nos cantinhos em que estão posicionadas poltronas para degustar os livros), ponto de encontro (entre o bar e o restaurante) e, claro, uma leitura devagar – como seu nome propõe – e até para divagar… Por que não?

Foto: Priscila Roque/ Cultuga

Peça “Colaboracionistas” ocupa diversos espaços da livraria – Foto: Priscila Roque/ Cultuga

Peça “Colaboracionistas”

Assim como as demais peças do grupo Fatias de Cá, “Colaboracionistas” consegue abraçar tão bem o local em que é representado – de modo que nos faz parecer e sentir que tal texto foi mesmo construído (adaptado, nesse caso) para ser reproduzido ali.

Não é somente o auditório local que é usado, mas também os próprios corredores, os menores cantinhos do primeiro andar e algumas mesas da Ler Devagar. O público caminha entre os livros para ir de uma cena a outra, ora senta, ora encosta-se em uma parede ou debruça sobre a escadaria. Cada momento de deslocação faz com que as ideias apresentadas sejam fixadas com mais intensidade, pois a peça cobra essa imersão de seus convidados.

Foto: Priscila Roque/ Cultuga

O personagem Mikhail Bulgakov nas escadarias da Ler Devagar – Foto: Priscila Roque/ Cultuga

Foto: Priscila Roque/ Cultuga

Em “Colaboracionistas”, o público pode se aproximar das cenas – Foto: Priscila Roque/ Cultuga

Foto: Priscila Roque/ Cultuga

Um dos espaços ocupados pela peça na livraria – Foto: Priscila Roque/ Cultuga

Com texto original do britânico John Hodge e adaptação do português Carlos Carvalheiro, essa peça se passa em Moscou, no final dos anos 1930. Entre os personagens, verificamos conhecidos nomes da história e da cultura. Entretanto, o contexto é ficcional. O autor questiona como seria uma espécie de troca de favores entre o líder Josef Stalin e o escritor russo Mikhail Bulgakov. Stalin o ajudava a escrever, enquanto Bulgakov palpitava em suas decisões políticas.

Dividida em várias partes, a peça faz uma pausa no meio e oferece um jantar a todos, como disse no início do post. Essa característica está presente em grande parte das obras encenadas pelo FdC. Assim, o texto pode se prolongar um pouco mais e, citando a refeição em alguma etapa da peça, transporta os convidados para um momento de interação, discussão e reflexão sobre tudo aquilo que viram e o que esperam ver na parte final. O resultado é mais concentração e algo que vale (muito) a pena ser prestigiado.

Grupo Fatias de Cá

Com o lema “Não resistir a uma ideia nova nem a um vinho velho”, o grupo Fatias de Cá já atua nos palcos portugueses desde 1979. Com base em Tomar, eles têm em seu quadro 150 membros, entre atores profissionais e amadores.

Entre suas principais características e preocupações estão: aproveitar espaços do patrimônio como um cenário natural; partilhar com o público a refeição como uma forma de aproximação e discussão da peça em questão; emocionar e divertir a quem os prestigia. O grupo sempre parte do espaço arranjado. Depois, adequa as cenas ao local.

Se você estiver de passagem por Portugal e quiser fazer parte dessa experiência, acesse o site do FdC e verifique na agenda quais são as peças em cartaz e os locais de apresentação. “O Nome da Rosa”, de Umberto Eco, é uma outra elogiadíssima montagem do grupo e que está em cartaz há mais de 10 anos no Convento de Cristo, em Tomar.

Aproveitamos esse momento em que estivemos com eles para gravar um vídeo com Carlos Carvalheiro, o diretor do grupo e idealizador disso tudo. Assista!

Não sabe por onde começar o planejamento da sua viagem a Portugal? Veja aqui uma seleção com os artigos mais lidos do nosso blog para organizar o seu roteiro.

Viaje tranquilo para Portugal

icon-saude

SEGURO DE VIAGEM
Faça o seguro saúde com a Real Seguro Viagem e pague em 12x SEM JUROS

icon-carro

ALUGUEL DE CARRO
Veja os melhores preços para alugar um carro na Rental Cars

icon-hotel

HOTEL
Reserve o seu hotel no Booking com cancelamento gratuito

Conheça os serviços exclusivos do Cultuga

icon-consultoria

TRANSFER
Tenha uma chegada tranquila e segura a Portugal. Reserve aqui um transfer

icon-carroCITY TOURS EM PORTUGAL
Quer viajar Portugal de norte a sul? Faça um city tour privativo

icon-foto

SESSÃO FOTOGRÁFICA – LISBOA E PORTO
Tenha fotos lindas da sua viagem! Conheça as nossas Sessões Fotográficas

icon-tour

TOUR A PÉ EM LISBOA
Venha percorrer a nossa Lisboa! Faça um tour a pé com o Cultuga

Compartilhe.

Sobre o autor

Priscila Roque

Sou jornalista especializada em cultura e fotógrafa. Foi preciso passar dos 30 anos para assumir que Lisboa é, realmente, o meu lugar no mundo. Mas a paixão por Portugal começou bem mais cedo, ainda na adolescência, quando descobri alguns músicos locais. Os meus pais são portugueses imigrados no Brasil. Depois de fazer o caminho inverso deles, trocando São Paulo por Lisboa, quero agora, com o Cultuga, diminuir a distância que separa o Brasil de Portugal.

Deixe um comentário