Chiado: 25 anos depois do incêndio

PORTUGAL NA PANDEMIA: acompanhe aqui as atualizações da Covid-19

Envie este artigo para alguém que você gosta!

O domingo amanheceu feliz aqui em Lisboa, orgulhoso de suas reconquistas. Mas há exatos 25 anos não foi assim. A manhã do dia 25 de agosto de 1988 marcou a vida de muitos lisboetas que viram um de seus bairros mais emblemáticos e históricos tomado por chamas. Sim, o incêndio no Chiado foi grave.

Este artigo foi originalmente publicado em 25 de agosto de 2013

Chiado: 25 anos depois do incêndio

Acredita-se que o incêndio do Chiado teve início nos Armazéns Grandella, às 5 da manhã, na Rua do Carmo (junto ao Elevador de Santa Justa), e seguiu por mais 18 edifícios que ocupavam as ruas Nova do Almada, Garrett, Crucifixo, Ouro e Calçada do Sacramento – entre eles os Grandes Armazéns do Chiado, em uma área equivalente a mais do que sete estádios de futebol.

O Chiado ficou destruído após o incêndio Foto: reprodução/ livro "O Grande Incêndio do Chiado"

O Chiado ficou destruído após o incêndio
Foto: reprodução/ livro “O Grande Incêndio do Chiado”

Nessa tragédia, duas pessoas morreram, mais de 50 ficaram feridas e cinco famílias perderam suas casas.

Isso porque aquela zona, na época, era mais comercial do que residencial. Dezenas de escritórios, ativos desde o século XVIII, também desapareceram.

Nos anos seguintes, surgiram projetos de revitalização com o objetivo de manter as fachadas originais, mas poucos acreditavam.

Muitos até desistiram daquela região.

Entretanto, nos últimos anos o processo tem sido inverso. Novamente as pessoas se apaixonaram, novos comércios chegaram, os prédios reconstruídos também deram mais espaço para a habitação e hotelaria.

Fernando Pessoa é uma das figuras mais emblemáticas do bairro Foto: Priscila Roque/ Cultuga

Fernando Pessoa é uma das figuras mais emblemáticas do bairro
Foto: Priscila Roque/ Cultuga

Poucos turistas sabem desse passado recente do Chiado e do quanto custou a população essa memória.

Nos guias de turismo, vemos apenas histórias que relacionam Fernando Pessoa e Eça de Queirós, por exemplo.

Nas ruas, vemos os sobreviventes com suas imponentes placas antigas e tradicionais imaginando que tudo ali tem por volta da mesma idade.

Quando soube (tardiamente) do incêndio do Chiado, passei a ver o bairro com um carinho ainda mais profundo. Já gostava muito daquilo tudo, mas agora percebo que a força da saudade, da memória e das tradições portuguesas fizeram com que a região fosse refeita com o sabor daquele passado orgulhoso.

Aquele presente na literatura e nos livros de História.

Conheça os serviços do Cultuga ❤

TRANSFER E TOURS
Tenha uma viagem a Portugal relaxante com os transfers e tours privativos do Vinícius e sua equipe.

TOURS A PÉ
Conheça Lisboa a pé e ao ar livre com os nossos tours históricos e culturais!

TOUR DE TUK TUK
Quer ter uma experiência divertida? A Kamila vai te levar em um tour privativo de tuk tuk!

SESSÃO FOTOGRÁFICA
As nossas fotógrafas conhecem os lugares mais bonitos para fazer o seu ensaio em Lisboa ou ensaio no Porto

Viaje a Portugal com tranquilidade ✈

SEGURO SAÚDE
Faça o seguro para Portugal na Real Seguro Viagem. Você ganha 10% de desconto!

ALUGUE UM CARRO
Viaje por Portugal com um roteiro ao seu ritmo. Na RentalCars você recebe o orçamento das empresas mais conhecidas de Portugal

HOTÉIS E APARTAMENTOS
Encontre hotéis no Booking e proteja-se de imprevistos com a opção de cancelamento gratuito!

PASSAGEM AÉREA
Voe direto do Brasil para Portugal e pague em até 12x sem juros com a TAP

Sobre o autor

Sou jornalista especializada em cultura e fotógrafa. Tenho Lisboa como o meu lugar no mundo, o meu refúgio, a minha casa. Mas é também em Portugal, este país vivo e com tanto para contar, que me sinto completa. Os meus pais são portugueses imigrados no Brasil. Depois de fazer o caminho inverso deles, trocando São Paulo por Lisboa, assumi como missão do Cultuga diminuir a distância que separa o Brasil de Portugal.

Deixe um comentário