O que você precisa saber antes de ir a Ilha do Porto Santo

0

Conhecer a Ilha do Porto Santo foi uma grata surpresa para mim e para o Rafa. Já sonhava em visitar a Ilha da Madeira há muito tempo, sobretudo por ser o cantinho de nascimento da minha mãe. Entretanto, quando percebemos que ir da Ilha da Madeira para a Ilha do Porto Santo era fácil e existia a possibilidade de fazer em bate-volta, achamos a ideia incrível e incluímos em nosso roteiro.

Praia na Ilha do Porto Santo, Madeira

Muita gente desconhece que a Ilha da Madeira faz parte de um arquipélago e que, junto dela, há outras ilhas. A Madeira e o Porto Santo são as principais – e habitadas.  Conheça aqui como é formado o Arquipélago da Madeira.

Neste mapa vemos a localização das principais ilhas do arquipélago: a Madeira (maior), o Porto Santo (na parte superior) e a Deserta Grande (na parte inferior)

O que você precisa saber antes de ir a Ilha do Porto Santo

Já adianto que, para percorrer os principais pontos da Ilha do Porto Santo em um único dia, é ideal contratar um city tour local. A ilha não é assim tão pequena e, para compreendê-la, ter alguém para te guiar é essencial. Assim, utilizamos o navio Lobo Marinho para fazer o bate-volta da Ilha da Madeira e optamos por contactar a Lazermar para estar conosco o dia todo.

A Lazermar é uma empresa familiar e das mais conhecidas no Porto Santo. Isso porque em sua raiz está o Sr. Rocha, que em 1940 começou a levar visitantes de carro para percorrerem a Ilha – uma das primeiras pessoas a fazer isso por lá.

City tour na Ilha do Porto Santo, Madeira

Posando ao lado do carro do nosso guia da Lazermar. Segurança e conforto em todos os percursos que fizemos com ele

Durante várias décadas, o turismo na Ilha do Porto Santo foi bastante restrito e pouco explorado. E foi neste cenário, já em 1996, que a empresa surgiu oficialmente, com Higino, neto do Sr. Rocha, e sua esposa Maria José – que, na época, trabalhava em um hotel tradicional da ilha.

Fomos recebidos pelo Nuno Santos com pontualidade, segurança e muito carinho. Ele sabia muito sobre a história da Ilha e da natureza envolvente. Sem jabá. Nós realmente tivemos uma experiência muito especial com a empresa e recomendamos seus serviços. Eles poderão buscar e levar você no cais da Porto Santo Linelocal em que chega e parte o navio que faz a ligação com a Ilha da Madeira.

Ilha do Porto Santo

Nuno e Rafa em um dos incríveis miradouros da ilha do Porto Santo

1. Ilha de origem vulcânica e com pouca chuva

A Ilha do Porto Santo foi a primeira descoberta pelos portugueses durante as Grandes Navegações, em 1418. Assim como a Ilha da Madeira, ela também tem origem vulcânica. Entretanto, suas características naturais são bem particulares.

Engana-se quem pensa que ilhas tão próximas – cerca de 50km – tenham solos e paisagens iguais. A pequena ilha do Porto Santo é pouco montanhosa, diferente da Madeira (que tem montanhas altíssimas). Para você ter uma ideia, uma de suas principais elevações – o Pico do Facho – não ultrapassa os 517 metros de altitude. Assim, as nuvens de chuva praticamente não param ali, deixando a maior parte de sua superfície seca.

Ilha do Porto Santo, Madeira

Ilha do Porto Santo, Madeira

Contrário da Madeira, a agricultura do Porto Santo não é um de seus carros-chefe. Entretanto, há projetos bem interessantes para se conhecer por aqui, como a produção de vinho e a agricultura orgânica (chamada de “biológica”, em Portugal) de pequenos produtores.

2. Pequena em superfície, mas com uma praia imensa

São somente 42km2 de superfície. Trocando em miúdos, a Ilha do Porto Santo tem 11km de comprimento por 6km de largura. Por isso, dizem que é impossível se perder por aqui rs.

De carro, de uma ponta a outra, você pode fazer em 20 minutos. Para dar a volta a ilha por suas vias principais são 40km. Mas é justamente isso que faz desta ilha tão mágica. Em pouco espaço percorrido, é possível ver paisagens contrastantes, provar sabores próprios e compreender as particularidades de sua população.

Praia na Ilha do Porto Santo, Madeira

Uma das vistas clássicas do Porto Santo a partir do Miradouro da Portela

A começar por sua praia imensa, com 9km de extensão. Não é a toa que os madeirenses fazem suas férias por aqui, dedicando facilmente 10 dias a beira mar, somente para desfrutar da água azul-turquesa desse pedacinho de paraíso.

Praia na Ilha do Porto Santo, Madeira

3. Para chegar ao Porto Santo, somente navio ou avião

A forma mais fácil de chegar ao Porto Santo é de navio a partir da Ilha da Madeira. Diariamente, da marina do Funchal, parte o navio Lobo Marinho (da empresa Porto Santo Line) que faz esse percurso de 70km (entre marinas) em 2h30, aproximadamente. Conto aqui neste artigo como foi a nossa experiência.

Navio Lobo Marinho no Cais do Funchal

Antes do amanhecer já estávamos junto ao navio Lobo Marinho, rumo a ilha do Porto Santo

De avião, sugiro apenas para quem parte do continente (pois voar entre as ilhas é bem caro, por conta das taxas aeroportuárias). Neste caso, quem faz a ligação direta entre Lisboa e a Ilha do Porto Santo é a TAP e a Azores Airlines, em 1h40 de voo, aproximadamente.

4. Segurança e qualidade de vida para a população local

Ao longo de toda a ilha vivem menos de 5 mil habitantes. O Nuno, nosso guia da Lazermar, nos disse que todo mundo se conhece – sobretudo as famílias que sempre viveram no Porto Santo. Isso faz com que o local não seja somente um paraíso natural, mas também ofereça segurança e qualidade de vida para a população.

Ilha do Porto Santo, Madeira

Somente a título de curiosidade, em um local tão pequeno, obviamente não há todas as especialidades médicas. Assim, se alguém precisa de suporte especializado ou emergencial, há um helicóptero militar disponível para o transporte do paciente que faz o trajeto até a Ilha da Madeira em 8 minutos.

A população, em sua maioria, trabalha diretamente ou indiretamente com o turismo. A pesca também é uma atividade comum, mas não necessariamente comercial (ah, entre as delícias que você pode comer por aqui, sugiro a leitura do nosso artigo sobre o restaurante Ponta da Calheta).

5. Turismo como base da economia

Dos últimos 20 anos para cá, o turismo cresceu muito e permanece como a base da economia local, apesar da sazonalidade. São diversos hotéis (mais de 25 mil quartos disponíveis), sobretudo resorts, que recebem visitantes portugueses em temporada de férias e também de outras nacionalidades ao longo do resto do ano – principalmente dinamarqueses, ingleses e alemães, que têm voos diretos a partir de seus países de origem.

Ilha do Porto Santo, Madeira

É impossível ficar indiferente a esse cenário do Miradouro das Flores

A ilha recebe a sua maior base de visitantes entre os meses de maio e outubro – principalmente famílias. Entretanto, já há projetos em andamento para o alargamento dessa temporada, começando em março e seguindo até novembro. Nós estivemos por lá no fim do mês de março e, apesar de não ser época para banhos de mar em virtude da temperatura, foi excelente para o percurso histórico e natural de 1 dia que fizemos.

Além dos percursos guiados de carro e jeep para conhecer a história e a cultura da ilha do Porto Santo – como aquele que nós fizemos, e da praia – claro, os viajantes vêm também em busca também de atividades aquáticascomo vela, canoagem, windsurf, kitesurf e mergulho, hipismo, percursos a pé (pelas chamadas “veredas”), asa-delta e parapente, ciclismo, tênis e golfe.

6. O ouro portosantense: sua areia dourada e terapêutica

A Ilha do Porto Santo também é conhecida popularmente como ilha dourada. Esse é um apelido antigo, primeiro referenciado a larga produção de trigo que teve em sua história, com 200 anos dessa agricultura (atualmente sem expressão em virtude do baixo índice de chuvas, mas ainda é possível ver os poucos moinhos que sobraram). Hoje, exaltado por outro ouro: o extenso areal de sua praia que não somente exibe seu amarelo vibrante, como também suas propriedades terapêuticas.

Areia na Ilha do Porto Santo, MadeiraPraia na Ilha do Porto Santo, Madeira

A areia do Porto Santo, formada há cerca de 35 mil anos, é fina, dourada e rica em minerais que funcionam como anti-inflamatórios naturais. A céu aberto e sem qualquer custo, há viajantes que se deslocam até lá somente para cobrir seu corpo na praia e sentir algum alívio, sobretudo para problemas relacionados ao reumatismo. Na areia estão sedimentos de antigos corais, conchas e ouriços do mar que formam e potencializam suas propriedades. Com o corpo coberto por essa areia quente, passamos a suar e, assim, liberamos naturalmente os minerais contidos nela para que possam ser absorvidos pela pele.

Para quem procura por tratamentos terapêuticos com suporte e acompanhamento, há também diversos SPAs e hotéis que mantém profissionais especializados unindo os benefícios dessa areia com a água da ilha, que tem bastante iodo.

7. Recursos naturais usados de forma inteligente

Está em andamento o projeto Smart Fossil Free Island que tem como objetivo fazer do Porto Santo a primeira ilha do mundo livre de combustíveis fósseis, fazendo uso inteligente de seus recursos naturais e criando outras soluções de mobilidade. A começar pela substituição gradativa dos transportes por veículos elétricos – particulares e públicos -, a implementação das fontes de abastecimento e suporte dessas baterias e, claro, o aumento das ciclovias.

Ilha do Porto Santo, Madeira

O clima da Ilha do Porto Santo é propício para a produção de energias renováveis, como o abastecimento por luz solar e a energia eólica. Assim, apesar de audacioso, esse projeto tem por objetivo ser um laboratório para a implementação da ideia em outros locais do mundo.

Ilha do Porto Santo, Madeira

Já o abastecimento de água doce da ilha sempre foi uma preocupação, sobretudo pelo baixo índice de chuvas, que caiu ainda mais nas últimas décadas. Assim, foi construída uma central para o cuidado e distribuição da água no Porto Santo que, desde a década de 1980, utiliza somente a água do mar no processo. Essa água, claro, passa por um processo de filtração mecânico chamado dessalinização, ou seja, a transformação da água salgada em água potável, para então ser distribuída por toda a ilha.

Como a água potável é um recurso caro e limitado na ilha, a população aprendeu a fazer seu uso de forma consciente. Em outros tempos, a falta de água acontecia com maior frequência, principalmente nos meses de verão. Já a “água residual”, proveniente dos esgotos, é tratada e utilizada para a rega dos campos, por exemplo, pois não seria possível produzir tamanho volume também para atividades como essa. 

Hoje, o Porto Santo tem capacidade para abastecer até 75 mil pessoas, com água potável, tratamento de esgotos e suporte de energia.

8. O dragoeiro é seu símbolo

Na bandeira do Porto Santo vemos uma árvore. Ela é popularmente conhecida como dragoeiro (dracaena). Esta é uma árvore típica da região, que existia em abundância na época dos Descobrimentos. Entretanto, ela não foi preservada pelo homem de maneira correta, sobretudo pela alta exploração de sua seiva ao longo da história.

Dragoeiro na Ilha do Porto Santo, Madeira

Dragoeiro

Essa seiva, conhecida como sangue-de-dragão, quando entra em contato com o ar, transforma-se em uma pasta vermelha. Além da mística envolvente nesta árvore, sua seiva foi muito utilizada em medicamentos e aproveitada para tinturas.

Hoje vemos um menor número de dragoeiros ao longo da ilha, mas nenhum preservado em estado selvagem, infelizmente.

9. O Porto Santo também tem vinho!

Em um país onde o vinho é o rei, confesso que é mágico viajar para uma ilha pequena, com um clima tão particular e se deparar com plantações de uva. A Ilha do Porto Santo sempre produziu vinho, apesar de sua comercialização não ser conhecida.

De acordo com a Secretaria Regional de Agricultura e Pescas, em 2017 eram pouco mais de 15 hectares de vinhas registrados. Mas nem todos os produtores são certificados, por isso a venda é limitada e pequena. É também nesse contexto que a experiência de visitar uma casa típica e conhecer um produtor é encantador.

O Nuno nos levou a uma casa típica da ilha para provarmos o vinho do Porto Santo. Aproveitamos para comprar também deliciosas bolachas de mel artesanais. Ah, e deixamos a promessa de voltar – claro 😉 

Ilha do Porto Santo, Madeira

É gratificante ver o esforço de quem vive na ilha para promover os (deliciosos) produtos locais

Ilha do Porto Santo, Madeira

10. Muitas paisagens paradisíacas por metro quadrado

A Ilha do Porto Santo tem paisagens diversificadas em um curto percurso de carro. Ao longo do passeio que fizemos com o Nuno, paramos no Miradouro das Flores (com uma vista incrível sobre a praia e os ilhéus); estivemos pertinho do Ilhéu da Cal, na Ponta da Calheta, enquanto almoçávamos junto a praia; visitamos a Quinta das Palmeiras (um dos raros espaços verdes da ilha, visto que ela é mais seca e desértica, que funciona como um jardim botânico mantido pelo Sr. Carlos Manuel); vimos as impressionantes formações da Pedreira do Pico Ana Ferreira (esta, inclusive, recebe pequenos shows musicais ao longo do ano) e a Fonte da Areia; e o famoso Miradouro da Portela.

Pico de Ana Ferreira

Em meio a este cenário natural do Pico de Ana Ferreira há, inclusive, eventuais apresentações musicais

Ilha do Porto Santo, MadeiraIlha do Porto Santo, Madeira

Quinta das Palmeiras: um pequeno pulmão da ilha muito bem cuidado

Organize AQUI a sua viagem para Portugal!

icon-saude

Parcele o seguro saúde na Real Seguro Viagem em 6x SEM JUROS

icon-carroVeja os melhores preços para alugar um carro

icon-hotel

Reserve o seu hotel no Booking, com cancelamento gratuito

Conheça os serviços exclusivos do Cultuga

icon-tour

Deseja ter a nossa companhia em Lisboa? Faça um tour conosco

icon-consultoria

Reserve um transfer ou city tour com os nossos parceiros em Portugal

icon-foto

Faça um ensaio fotográfico em Lisboa ou no Porto

Veja o índice de artigos do Cultuga para ajudar no planejamento do seu roteiro ❤

Compartilhe.

Sobre o autor

Priscila Roque

Sou jornalista especializada em cultura e fotógrafa. Foi preciso passar dos 30 anos para assumir que Lisboa é, realmente, o meu lugar no mundo. Mas a paixão por Portugal começou bem mais cedo, ainda na adolescência, quando descobri alguns músicos locais. Os meus pais são portugueses imigrados no Brasil. Depois de fazer o caminho inverso deles, trocando São Paulo por Lisboa, quero agora, com o Cultuga, diminuir a distância que separa o Brasil de Portugal.

Deixe um comentário