Conheça as diferenças de sotaque entre as ilhas dos Açores

Esse é um interessante vídeo do professor e estudioso açoriano Victor Rui Dores sobre as diferenças entre as pronúncias das ilhas dos Açores.

Na descrição das imagens, há também um texto de José Agostinho Serpa, responsável por divulgar esse trabalho, que replico aqui:

“Todas as pessoas, lugares, cidades, países, têm a sua língua, linguagem, a sua forma de se exprimir.
Herança, conhecimento, estudo, capricho, a comunicação enquanto forma sonora de expressão é usada por humanos e animais.
É nos humanos que é mais acentuada e conhecida, assim variando de pessoa para pessoa…
Mesmo em pequenas localidades, existem diferentes modos de cada pessoa se exprimir. Uma dessas formas denomina-se por “pronúncia” e é exactamente disso que nos vai falar o Victor Rui Dores.
Professor, escritor e actor, formado em germânicas é porventura um dos maiores poetas/escritor/cronista da actualidade dos Açores. Mas e como ele próprio se define, é sem dúvida alguma um enorme comunicador. Conhecendo os nossos saberes, usos e costumes e neste caso concreto a linguística açoriana bem como as suas diferentes formas dialectais.
Este é mais um contributo para o nosso Património cultural imaterial (ou património cultural intangível) Açoriano.
Agradecimento muito especial ao professor Victor Rui Dores por ter disposto do seu precioso tempo várias horas em estúdio, a fim de partilhar com todos nós, graças ao seu poder comunicativo, o seu saber e conhecimento sobre essa forma fantástica dos seres se comunicarem … a dialéctica da fala.”

– José

Envie para alguém que também vai gostar!

Portugal mais perto de você

Conheça a equipe que trabalha conosco e as experiências que vamos proporcionar a você e sua família nesta viagem:

Passeios e Experiências em Portugal

Viaje com tranquilidade

Receba orçamentos das empresas mais conhecidas para serviços de turismo em Portugal com opção de cancelamento gratuito:

Sobre o autor

Sou jornalista especializada em cultura e fotógrafa. Tenho Lisboa como o meu lugar no mundo, o meu refúgio, a minha casa. Mas é também em Portugal, este país vivo e com tanto para contar, que me sinto completa. Os meus pais são portugueses imigrados no Brasil. Depois de fazer o caminho inverso deles, trocando São Paulo por Lisboa, assumi como missão do Cultuga diminuir a distância que separa o Brasil de Portugal.

7 Comentários

Deixe um comentário