5 bandas do rock português para a sua playlist

PORTUGAL NA PANDEMIA: eventos podem ser adiados ou cancelados; atrações e estabelecimentos podem funcionar sob horário e regime especiais. Acompanhe aqui as atualizações da Covid-19

Envie este artigo para alguém que você gosta!

O Fado tem uma grande importância na cultura portuguesa, claro. Mas, uma das coisas que eu e a Pri mais temos gosto em dizer é que Portugal não é só Fado. Tem muita música produzida do lado de cá do oceano que também é competente e criativa. Aproveitando esse Dia Mundial do Rock (celebrado em 13 de julho), resolvi mostrar aqui a ‘força’ do rock português com cinco bandas que merecem ser ouvidas!

Bora engordar a playlist?

5 bandas do rock português para a sua playlist

Xutos & Pontapés

“Os Xutos são os maiores!” – essa é a melhor definição que eu posso dar para eles. Quando se fala de rock em Portugal, o primeiro nome que vem na cabeça é Xutos & Pontapés.

Para você ter uma ideia, a banda é tão conhecida e respeitada por aqui que até as #fofurasportuguesas sabem cantarolar algum refrão rs.

Brincadeiras a parte, são 40 anos de carreira cantando somente em português e sem firulas. Rock de verdade! 🤘

Um fato interessante é que eles já estiveram algumas vezes no Brasil (e fizeram grandes amigos, como os integrantes da banda paulistana Ira!, por exemplo).

A última passagem foi durante o Rock in Rio, em 2011. O show valeu um DVD em parceria com o Titãs.

Ouça também: GNR, Heróis do Mar, Rui Veloso (recomendadíssimo) e Ladrões Do Tempo

Moonspell

O heavy metal também tem espaço em Portugal. O Moonspell é um velho conhecido dos fãs desse estilo musical – não somente na terrinha, mas também no mundo todo.

E não é porque a banda opta por ter suas letras escritas em inglês (na maioria) que é menos valorizada no país. Muito pelo contrário.

Os portugueses têm orgulho de ver o talentoso vocalista Fernando Ribeiro mostrar que em Portugal também tem metal de muita qualidade.

Fazendo um paralelo, é mais ou menos o que o Sepultura representa para o Brasil, mesmo que eles não dividam exatamente o mesmo som.

Penso que todos os brasileiros que gostam de música e que conhecem o Moonspell fazem essa comparação. Mesmo sendo óbivia, é a melhor forma de exemplificar.

Somente a título de curiosidade, o vocalista Fernando Ribeiro já se juntou ao brasileiro Andre Matos em Milão durante uma apresentação acústica. Entre as músicas escolhidas para o encontro, eles cantaram “Lisbon” – lançada originalmente na década de 90 pela banda Angra.

Veja qual é o exato local que aparece na capa de Lisbon, do Angra

Outra curiosidade bem legal envolvendo o Moonspell é que entre os seus fãs mais famosos está o escritor luso José Luís Peixoto. O autor de “Morreste-me” e “Livro” embarcou em uma parceria muito interessante com a banda em 2003. Um mergulhou no processo criativo do outro e o resultado disso foi o disco “The Antidote” e o livro “Antídoto”, vendidos separadamente mas repletos de elos comuns.

Por fim, ainda recomendo um disco inteiro deles cantado em português, intitulado 1755Todas as músicas incluídas nesse disco estão relacionadas com o dia 1 de novembro de 1755, quando aconteceu um  terremoto que devastou Lisboa. (conheça aqui a história do Terremoto de 1755).

Ouça também: Bizarra Locomotiva, Mão Morta (recomendadíssimo) e More Than a Thousand

Silence 4

O fim da década de 1990 e início dos anos 2000 foi um período bom para a economia de Portugal. A tendência se alargou para o pop-rock. Surgia em Leiria, no centro do país, em 1996, uma banda que escreveria seu nome na história: o Silence 4.

David Fonseca, Sofia Lisboa, Rui Costa e Tozé Pedrosa cativaram uma geração. Foram poucos anos na ativa, dois discos de estúdio e muitos shows. Porém, o suficiente para tornar a banda inesquecível.

Nessa época eu nem pensava em ouvir bandas portuguesas… Porém, mesmo que muito tarde (mais de uma década depois da banda ter acabado), me tornei um grande fã.

Acho que também foi fácil gostar deles por já acompanhar a carreira solo do David, que começou em 2004, e por já ter visto uma apresentação dele em São Paulo.

Uma história que marcou bastante o Silence 4 foi a recente e total recuperação de uma leucemia da Sofia Lisboa.

Para celebrar a vida e agradecer a todos que a ajudaram, ela convidou toda a banda para fazer um breve e emocionante retorno – que resultou em uma turnê no ano passado.

Ouça também: David Fonseca, Blind Zero, The Gift, Linda Martini (recomendadíssimo) e Toranja

Tara Perdida

Eu sempre gostei muito de punk e hardcore, mas demorei pra ouvir bandas portuguesas que faziam esse tipo de som. Os Censurados – um clássico do final dos anos 80 e início dos 90, foi a primeira. Gostei.

Mas, confesso: o Tara Perdida me impressionou mais (ok, isso é questão de gosto).

Foi em um fim de semana de março de 2014 que soubemos da morte prematura de João Ribas, fundador do Tara e ex-integrante dos Censurados, aos 48 anos de idade.

Sem ele, o punk, certamente, não teria atingido tamanha proporção em Portugal. Foram mais de 25 anos dedicados a cena, mas sempre manteve em seu discurso simples de que não era maior do que ninguém.

A banda segue em atividade com um novo vocalista e com o lançamento de “Luto”, uma homenagem ao amigo que partiu, mas também a chama que ainda mantém viva o Tara.

Ouça também: Censurados, Peste & Sida, Mata-Ratos e Fonzie

UHF

Conheço muito pouco do UHF, mas fiz questão de que eles entrassem nesse post pela importância que têm no ‘boom’ do rock tuga.

Assim como os Xutos & Pontapés, essa banda também nasceu em Almada, uma das cidades mais rock de Portugal – região também chamada de “Margem Sul”.

Fazendo pesquisas e ouvindo algumas músicas, senti que as muitas trocas de integrantes não fez tão bem para a banda. Mesmo assim, tenho que ressaltar que o vocalista António Manuel Ribeiro nunca ‘abandonou o barco’.

Ouça também: Sétima Legião, António Variações e Clã (recomendadíssimo)

Menção honrosa

Barões

Não ter vivido de perto os melhores anos do rock em Portugal é algo que hoje, para mim, faz falta. Entretanto, consegui aprender e passei a gostar de muita coisa graças a uma das melhores séries feitas para a televisão que já assisti: Os Filhos do Rock.

A produção contou a história do ‘boom’ do rock português, sobretudo da década de 80, inserindo nela uma banda fictícia chamada Barões. O trio dividia palcos e histórias com os Xutos, o GNR, o UHF, o Sétima Legião, o Jorge Palma, entre outros nomes da época.

Vale a pena assistir (todos os episódios estão disponíveis no site da RTP Play!

Deixo aqui o “primeiro videoclipe” dessa banda que não saiu oficialmente da ficção, mas que fez muito sucesso aqui em casa 😆:

 

Aproveito também para indicar a Playlist do Cultuga de rock no Spotify! Mais um motivo para você escutar esses e outros artistas portugueses!

Se você conhece ou gosta de outras bandas lusitanas compartilhe as suas dicas aqui nos comentários 😃


Envie este artigo para alguém que você gosta!

Veja como ficar mais perto da gente ❤

Estamos há 10 anos no ar produzindo conteúdo autêntico sobre a cultura portuguesa e turismo cultural e criativo para viajantes brasileiros!

Seja membro em nosso Apoia-se

 Venha conversar sobre Portugal aos domingos no YouTube

Siga-nos no Instagram, no Facebook e no YouTube

Conheça estas experiências para quem viaja a Portugal

Viaje a Portugal com segurança ✈

icon-saude

SEGURO SAÚDE E VIAGEM
Faça o seu seguro para Portugal na Real Seguro Viagem com este link do Cultuga e ganhe 10% de desconto!

icon-carro

ALUGUEL DE CARRO
Viajar de carro é uma ótima opção para se aproximar da natureza e fazer um roteiro ao seu ritmo. Na RentalCars você recebe o orçamento de aluguel de carro das empresas mais conhecidas de Portugal.

icon-hotel

HOTÉIS E APARTAMENTOS
Encontre hotéis no Booking focados na higienização de seus espaços e evite surpresas frente a imprevistos com a opção de cancelamento gratuito!

TRANSFERS EM PORTUGAL
Conheça o Vinícius e sua equipe! Eles terão enorme carinho em receber você em segurança e tranquilidade no aeroporto.

Sobre o autor

Rafael Boro

Sou jornalista, tenho 36 anos e, apesar de ter nascido em São Paulo, adotei Lisboa como minha cidade. Gosto de apreciar a gastronomia lusa e, sempre que posso, vou a um café ou a um restaurante que não conheço. Lisboa também me trouxe um time de futebol do coração, o Sporting, mesmo tendo o tênis como o meu principal esporte. Troco fácil os transportes públicos por uma longa caminhada. Na minha playlist de música portuguesa não falta David Fonseca e Tiago Bettencourt.

21 Comentários

    • Rafael Boro

      Olá, Luciano
      Tudo bem?

      A Áurea é uma grande cantora. Já tive a oportunidade de assistir um show dela :) Porém, ela não é uma artista de rock. Por isso não está destacada aqui no artigo.

      Mas já fica a dica: para quem gosta de soul, pop, vai curtir o som da Áurea.

      Um abraço!

  1. Avatar

    Neste momento Portugal está a atravessar uma revolução no que toca a rock e isso pode-se constatar através de bandas como: Capitão Fausto, Cave Story, Savanna, Them Flying Monkeys, Ganso, Sean Riley & The Slowriders, Keep The Razors Sharp, B Fachada. Aconselho que ouça pois vai-se surpreender com a sonoridade que anda a surgir por terras lusas.
    Continuação de Bom trabalho!

    • Rafael Boro

      Olá, José
      Muito obrigado pelas indicações. Sempre é bom conhecer e ouvir bandas novas. Dessas eu só conhecia o Capitão Fausto! A qualidade do som e a produção de todas estão com um nível excelente.

      Um grande abraço!

  2. Avatar
    Hélder Oliveira em

    Olá Rafael,
    Eu não consigo pensar em rock português sem imediatamente recomendar três bandas. Mão Morta, Ornatos Violeta e Clã.
    Para lá da excelente sonoridade, as letras são de uma qualidade fora de série.

    • Rafael Boro

      Olá, Hélder

      Três grandes bandas e ótimas recomendações. Os Ornatos Violeta conheci somente quando me mudei para cá. Incrível a dimensão que eles alcançaram com dois discos. Os Mão Morta são históricos. Tenho dois amigos que são fãs (um deles de Braga). Já os Clã, vi ao vivo no Brasil. A Manuela é demais.

      Um grande abraço e obrigado pelas sugestões!

  3. Avatar

    Oi! Gostei muito de saber que ainda há pessoas que ainda pensam no rock, espero que num futuro proximo ( o quanto mais melhor) o rock volte em força!
    Outras bandas atuais de rock portugues bastante boas são: Cruzados, Os quatro e meia (é mais pop-rock), os Amor Electro, Linda Martini, Glockenwise
    E esqueceu-se de outras bandas miticas como os GNR, Radio Macao, Blind Zero, Herois do Mar…
    Gostei tambem do seu site, para continuar a acompanhar

    • Rafael Boro

      Olá, R.Matos
      Isso mesmo! O rock precisa voltar em (grande) força.
      Obrigado pelas indicações e muito bom saber que gostou do site! :)
      Não conhecia os Cruzados, Quatro e meia e Glockenwise. Os Linda Martini, GNR, Blind Zero e Heróis do Mar estão na lista dos “Ouça também”. Por falar nos Heróis do Mar, assisti a uma entrevista muito boa com o Rui Pregal na RTP Memória. Foi no programa Inesquecível, do Júlio Isidro.
      Gosto de algumas músicas dos Rádio Macau e dos Amor Electro – a Marisa Liz é muito simpática.
      Um grande abraço!

  4. Avatar

    Cara, escuta fitacola, é uma banda de coimbra, tocam um harcore melódico, a melhor banda que já escutei de Portugal, pena que não seja muito conhecida.

    • Rafael Boro

      Boa dica, Marco!
      Eu já escutei algumas músicas dos Fitacola. Lembro até que eles fizeram uma música com a participação do Badauí, do CPM 22. Muito bom!
      Grande abraço!

  5. Avatar

    Bom dia Boro.

    Escuta Também:

    First Breath After Coma
    Legendary Tigerman
    Noiserv
    Paus
    Surma
    Best Youth
    Molinex
    Alexander Search (o Nome é de um heteronimo de Fernando Pessoa. A Banda de Salvador Sobral)

    Boa Continuação

    • Rafael Boro

      Obrigado pelas sugestões, Nuno! ;)
      Dessas que você mencionou, conheço Legendary Tigerman, Noiserv (uma amiga de Braga é fã e grande amiga do David), Paus e Alexander Search.
      Grande abraço!

    • Rafael Boro

      Bem lembrado, Everson! :)
      Li a biografia dos Moonspell, “Lobos que foram Homens”, e foi bem interessante conhecer essa parte luso-brasileira deles! Se você ainda não leu, vale muito a pena!
      Um grande abraço!

Deixe um comentário