Palácio da Lousã: um hotel com história de Portugal ao Brasil

PORTUGAL NA PANDEMIA: acompanhe aqui as atualizações da Covid-19

Temos um grande carinho pela região centro de Portugal: quanto mais conhecemos, mais nos apaixonamos.

Desta vez, fomos a Serra da Lousã, a 30km de Coimbra, cheia de romantismo, belezas naturais e onde também estão localizadas algumas das aldeias pitorescas de xisto.

Era, realmente, um lugar que já estávamos devendo uma visita.

Para explorar a vila da Lousã e seus arredores com facilidade na locomoção e bom suporte de Internet para o nosso trabalho, montamos o QG do Cultuga no Palácio da Lousã, um boutique hotel quatro estrelas inserido em um edifício do século XVIII.

serra-da-lousa-o-que-fazer-roteiro-onde-ficar-hotel-palacio-da-lousa-1

Palácio da Lousã, um dos cartões postais da vila e o QG do Cultuga na Serra da Lousã

Por seu reconhecido valor para a região (tendo aqui um episódio das Invasões Francesas e também por ter sido residência de Maria da Piedade de Melo Sampaio Salazar, a Viscondessa do Espinhal, com um trabalho de benfeitorias a Lousã), o Palácio da Lousã é um dos cartões postais da vila.

Ou seja, hospedar-se aqui nos ofereceu a oportunidade de unir o conforto e o suporte de um ótimo hotel a experiência de passar duas noites em um importante patrimônio histórico português.

palacio-da-lousa-boutique-hotel-serra-da-lousa-historico-14

Um hotel com história de Portugal ao Brasil

pausa para contar um pouco dessa história :D

O também chamado Palácio da Viscondessa do Espinhal foi mandado construir pelo pai dela, o Sr. Bernardo Salazar Sarmento D’Eça e Alarcão, que entre outros títulos foi cavaleiro professor na Ordem de Cristo e também serviu nas relações do Rio de Janeiro, no Brasil.

Uma das histórias mais famosas que envolve o Palácio da Lousã, foi de março de 1811, durante as Invasões Francesas.

Conta-se que o General Ney, subalterno de André Massena (general francês responsável pela terceira invasão francesa a Portugal, durante a Guerra Peninsular) estava jantando no Palácio quando saiu as pressas após saber da derrota de suas tropas aqui perto, em Foz de Arouce.

Foi depois o general Wellesley, o Duque de Wellington – o que saiu vitorioso na Guerra Peninsular, que terminou o jantar nessa mesma noite e montou aqui seu QG.

A Viscondessa do Espinhal, Maria da Piedade de Melo Sampayo Salazar, nasceu em Lisboa, mas foi na Lousã e em uma freguesia próxima, Espinhal, que deixou sua marca.

Ela é lembrada como uma pessoa de grande fortuna, mas que sempre apoiou obras beneficentes.

Após sua morte, como não tinha filhos, o palácio ficou para os seus afilhados – e foi um deles, Aníbal Fernandes Tomáz Pippa, natural de Figueira da Foz, um grande apreciador de arte e comunicação, que se tornou o 3º proprietário e viveu aqui com sua família.

Já na virada do século XX, em 1893, o palácio foi comprado por João Antunes dos Santos, natural da Lousã, mas que teve uma atuação importante e ativa na colônia lousanense de Santos, no Brasil.

Um de seus filhos, nascido no Brasil, João Augusto dos Santos, foi o 5º proprietário desse palácio.

Ele também foi presidente da câmara municipal da Lousã e fez um importante trabalho para o regime florestal da Serra.

Em 1928, com sua morte, o palácio passou para um de seus filhos, Jorge Olavo de Magalhães Mexia Santos, que se manteve proprietário até 1998.

Atualmente, o palácio faz parte da empresa Serra da Lousã S.A. e tem como acionistas alguns descendentes do Sr. João Antunes dos Santos.

Uma outra curiosidade é que esse foi o primeiro Boutique Hotel do país – ou seja, um alojamento com poucos quartos, envolvido por objetos e mobiliários de arte e história, além de uma infraestrutura de conforto e atendimento personalizado.

No total, são 46 quartos (23 no palácio e 23 na chamada ala nova).

Hotel na Lousã: como é o Palácio da Lousã

As primeiras impressões

Assim que entramos a vila da Lousã, já estávamos encantados com as pequenas ruas charmosas, com as pessoas sentadas nas mesas exteriores dos restaurantes e pastelarias e com o envolvimento da paisagem natural da Serra que parecia “abraçar” aquela cidadezinha.

Foi com esse sentimento que encontramos a fachada imponente do Palácio da Lousã.

Tal envolvimento e coerência se manteve na área interior do edifício, com um aspecto rústico e bastante acolhedor.

No check-in, havia uma prova do Licor Beirão, que nos chamou a atenção. Essa é uma bebida muito popular em todo o país. Entretanto, não sabíamos sua procedência e história.

Foi nesse momento que descobrimos que a empresa é da Serra da Lousã e tem raízes anteriores a sua formação, ainda no século XIX (conheça aqui mais marcas históricas de Portugal).

Por conta das malas, subimos ao quarto de elevador.

Porém, na passagem até o nosso quarto, vimos o cuidado do hotel em deixar as salas comuns, de convivência dos hóspedes, sempre limpas e impecáveis.

Durante a nossa hospedagem, voltamos ali para descansar, ver as fotografias de cada uma das salas e aproveitar o material que eles disponibilizam aos hóspedes, como livros, jornais e revistas.

Maçãs e nozes disponíveis aos hóspedes durante o dia todo

Maçãs e nozes disponíveis aos hóspedes durante o dia todo

palacio-da-lousa-boutique-hotel-serra-da-lousa-historico-7

As salas do palácio de uso comum

No meio da nossa estadia, também tivemos a chance de conhecer pessoalmente o Sr. Paulo Teixeira de Carvalho, diretor geral do Palácio, uma pessoa sempre disponível e amabilíssima.

Percebemos o carinho que ele tem pela vila, pelo hotel e o engajamento tão profundo em promover Portugal.

Como chegar

A melhor forma para chegar ao Palácio da Lousã é de carro ou moto. Partindo de Lisboa, siga a norte pela A1, A13 e N342. São, aproximadamente, 205 km de trajeto – pouco mais de 2h.

Da cidade do Porto são cerca de 130 km, também pelas mesmas estradas, mas no sentido sul.

Nós passamos por Figueira da Foz e Coimbra antes de chegar aqui, em um percurso de pouco mais de 1 hora. Muito simples e bastante rápido.

Para quem deseja ter uma experiência por aqui, poderá até fazer base na Lousã para visitar Coimbra depois, por exemplo. São 30km de distância e você nem precisa pegar autoestradas. Basta fazer o uso da N17 e a N236, que são bem sinalizadas.

O único porém é o acesso a Lousã de transporte público. Se você olhar no Google Maps, encontrará ali uma estação de trem. Entretanto, ela está desativada. Mesmo para a chegada de ônibus também é complicada. Portanto, carro e moto são mesmo as melhores formas de acesso.

O hotel fica no centro histórico da vila da Lousã, a menos de 100 metros da Igreja Matriz e conta com um estacionamento gratuito na parte de trás do palácio.

Acomodações

Ficamos hospedados em um quarto duplo no andar nobre do Palácio, com cama king size, banheiro com banheira e ducha forte, televisão, frigobar, ar condicionado, armários e uma escrivaninha.

O espaço era grande, confortável e com muita luz natural.

palacio-da-lousa-boutique-hotel-serra-da-lousa-historico-3 palacio-da-lousa-boutique-hotel-serra-da-lousa-historico-9

O mobiliário era de muito bom gosto, em tons claros, e com detalhes de gesso no teto que não nos fazia ter dúvidas de que estávamos mesmo em um edifício histórico.

palacio-da-lousa-boutique-hotel-serra-da-lousa-historico-4 palacio-da-lousa-boutique-hotel-serra-da-lousa-historico-6

Um outro ponto de destaque na hospedagem foi a vista do quarto.

Viajamos a Serra da Lousã no final do mês de setembro, na transição do verão para o outono, e pegamos três dias de muito sol por aqui.

Posso dizer que o fim de tarde, na janela do quarto, foi uma grande inspiração para nós.

palacio-da-lousa-boutique-hotel-serra-da-lousa-historico-11

O fim da tarde na janela do nosso quarto...

O fim da tarde na janela do nosso quarto…

Café da manhã

O espaço onde é servido o café da manhã é bastante amplo, pois são duas salas.

Uma delas, a que escolhemos, tem uma vista de muita tranquilidade para o jardim do palácio e a Serra.

Do salão de café da manhã, vemos também a piscina e o jardim do hotel

Do salão de café da manhã, vemos também a piscina e o jardim do hotel

palacio-da-lousa-boutique-hotel-serra-da-lousa-historico-18

Entre as opções para escolher, tinham frutas, geléias regionais, frios, boa variedade de pães e doces (incluindo pastel de nata – huuuummm), iogurte, cereais, ovos mexidos e… o típico mel da Lousã :)

Serviços e facilidades

Em uma das noites, tivemos a oportunidade de jantar no restaurante do hotel, A Viscondessa. A sala é muito bonita e as porções bem servidas.

O menu apresentado é sazonal, mas sempre privilegia os sabores locais.

palacio-da-lousa-boutique-hotel-serra-da-lousa-historico-20

O restaurante e as nossas escolhas

O Palácio da Lousã ainda dispõe de estacionamento gratuito para os hóspedes, piscina, jardins, salão de jogos e um parque infantil.

Há elevadores e rampas, que facilitam o acesso a pessoas com mobilidade reduzida – uma característica bem interessante e frequente nos estabelecimentos da Lousã.

O hotel também é bike friendly. Ou seja, para quem deseja conhecer a Serra da Lousã de bicicleta, poderá contar com o suporte do estabelecimento, seja para receber ciclistas, seja para alugar bicicletas.

palacio-da-lousa-boutique-hotel-serra-da-lousa-historico-8

Por fim, deixo aqui uma dica: como o estacionamento fica na parte de trás do hotel, passe primeiro pela frente do Palácio, deixe as malas e depois siga para estacionar. Pois, para chegar a recepção a partir do estacionamento, é preciso passar por todo o pátio (ainda que ele tenha rampas e elevador, acaba por ser mais prático).

palacio-da-lousa-boutique-hotel-serra-da-lousa-historico-21

Hotel Palácio da Lousã
Endereço: Rua Viscondessa do Espinhal 3200-257 – Lousã
Contatos: (+351) 239 990 800 – info@palaciodalousa.com
Site: www.palaciodalousa.com
Veja aqui os preços e a disponibilidade para as datas da sua viagem

Envie para alguém que também vai gostar!

Portugal mais perto de você

Reserve uma experiência com os nossos parceiros que vão te receber com grande carinho!

Tours e Transfers Ensaio Fotográfico – Lisboa

Viaje com tranquilidade

Receba orçamentos das empresas mais conhecidas com opção de cancelamento gratuito.

Sobre o autor

Sou jornalista, tenho 38 anos e, apesar de ter nascido em São Paulo, adotei Lisboa como minha cidade. Gosto de apreciar a gastronomia lusa e, sempre que posso, vou a um café ou a um restaurante que não conheço. Lisboa também me trouxe um time de futebol do coração, o Sporting, mesmo tendo o tênis como o meu principal esporte. Troco fácil os transportes públicos por uma longa caminhada. Na minha playlist de música portuguesa não falta David Fonseca e Tiago Bettencourt.

2 Comentários

  1. Boa tarde Raphel,
    Parabéns pelo seu blog,adorei suas dicas.Estou com uma dúvida, nunca fui a serra da estrela,estou indo em março e vou fazer Lisboa-Porto de carro e agora não sei se vou a Serra da estrela ou Lousä.O q vc me sugere?
    ABS
    Gisele

    • Olá, Gisele
      Tudo bem?
      Legal que você gostou das dicas. Ficamos muito felizes! :)

      As duas serras são bem diferentes. Cada uma com suas particularidades. As paisagens, a culinária e o tipo de turismo explorado nelas são diferentes. Vale a pena visitar as duas, porém, como você pretende aproveitar o trajeto Lisboa-Porto, a Serra da Lousã é melhor. O desvio é muito pequeno e a facilidade de chegar e sair também é bom.
      Para organizar melhor essa etapa da sua viagem, veja os nossos posts especiais sobre a Lousã: https://www.cultuga.com.br/tag/serra-da-lousa/ ;)
      Um grande abraço e boa viagem!

Deixe um comentário