Seu guia de viagem em Portugal | 14 anos no ar

    Quando ouvíamos falar da Ilha de São Jorge, nos Açores, somente uma coisa vinha em nossa mente imediatamente: o Queijo da Ilha. Assim, visitar uma fábrica desses afamados queijos da Ilha de São Jorge era um clássico que não poderia faltar em nosso roteiro!

    Veja como foi essa visita e tome nota para conhecê-la também durante a sua viagem aos Açores!

    Visitamos uma tradicional fábrica
    de Queijo da Ilha de São Jorge, nos Açores

    fabrica queijo São Jorge açores

    Escolhemos a Cooperativa Agrícola de Lacticínios dos Lourais por ter fácil localização, grande estacionamento e acesso rápido de onde estávamos hospedados. E foi mesmo uma ótima opção!

    Cooperativa Agrícola de Lacticínios dos Lourais

    fabrica queijo São Jorge açores fabrica queijo São Jorge açores

    Quando chegamos à Cooperativa fomos recebidos carinhosamente pela Amélia – que nos levou por todas as dependências dessa fábrica de queijos.

    Logo na entrada é necessário deixar todos os seus pertences em um armário, inclusive relógios, brincos, e anéis.

    Vestimos uma bata de plástico, touca, proteção para os sapatos e luvas para garantir que não levávamos bactérias do exterior para uma área tão delicada da produção.

    Estes queijos são produzidos com leite cru. Portanto, toda higiene na maior parte do processo é crucial para que se mantenha tudo bem.

    Esta fábrica, por ser uma cooperativa, recebe leite de produtores da própria região dos Lourais para a produção de seu queijo.

    Entretanto, a maior parte das cooperativas da Ilha de São Jorge, depois de produzirem seus queijos, os enviam para uma base maior mantida pela Uniqueijos. Assim, podem ser distribuídos em maior escala em Portugal continental e também por toda a Europa e Estados Unidos.

    LEIA TAMBÉM: como ir de Lisboa para a Ilha de São Jorge

    Queijos curados

    O tradicional Queijo da Ilha é curado. Na fábrica dos Lourais, por exemplo, é possível provar queijos de 3, 6 e 12 meses. Entretanto, há também produção de queijos com cura de até 3 anos.

    A Amélia nos disse que, na fábrica maior, possivelmente pode chegar a uma cura de até 10 anos. Quanto mais velho o queijo, mais picante ele fica. Se observarmos com atenção, nesses queijos mais velhos, podemos ver até a formação de pequenos cristais que fazem toda diferença no sabor.

    Vendo uma fábrica com toda essa estrutura não imaginávamos que trabalham ali somente 30 pessoas.

    Parte delas efetua até trabalhos bastante árduos e ainda manuais em parte do processo do queijo.

    Essa é também uma forma de valorizar, ainda mais, o produto que consumimos – vendo a dedicação de cada um daqueles profissionais.

    LEIA TAMBÉM: onde comer na Ilha de São Jorge

    Como agendar a visita na fábrica

    fabrica queijo São Jorge açores

    Como nós viajamos para a Ilha de São Jorge em época de baixa temporada, ao longo do mês de outubro, fomos direto ao local e pudemos ser atendidos imediatamente.

    Entretanto, sempre vale a pena fazer o agendamento prévio para alinhar melhor a sua programação. As visitas acontecem de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 15h30. Entre em contato com eles por telefone ou email (telefone: +351 295 416 358/ e-mail: geral@cooperativalourais.com).

    Na época da nossa viagem, visita custou 5€ por pessoa. Ao final do percurso pela fábrica você também poderá comprar queijos deliciosos.

    Ah! E a Cooperativa dos Lourais está marcada corretamente no GPS. É bem fácil de chegar de carro (veja também nossas dicas de como dirigir na Ilha de São Jorge).

    Sou jornalista especializada em cultura e tenho 41 anos. Lisboa é o meu lugar no mundo. Os meus pais são portugueses imigrados no Brasil. Depois de fazer o caminho inverso deles, me tornado também imigrante, assumi como missão do Cultuga diminuir a distância que separa o Brasil de Portugal.

    2 Comentários

    1. Gostei das dicas pormenorizadas .
      Informações preciosas que nos fazem decidir qual o melhor itinerário .
      Obrigado e continuem assim …

    Deixe um comentário